O campineiro Guilherme Nucci

                                                                                                                                Moacyr Castro

Esta é uma pequena homenagem para um grande campineiro, que eu chamava de “Embaixador de Campinas no Espírito Santo”. Como ele gostava desta cidade! Ex-aluno do Colégio Culto à Ciência, há décadas foi viver nas plagas capixabas, para ser diretor de marketing da fábrica de chocolates Garoto e, agora, subsecretário de comunicações do governo daquele estado.
Éramos “quatro mosqueteiros” e nos comunicávamos quase diariamente, unidos pelo condão de uma mestra comum, rara mulher, nossa Quinita Sampaio de Mello Serrano. É assim que ela nos chama, sempre, na abertura de cada mensagem: “Meus queridos Guilherme, Carlos (Francisco de Paula Neto) e Moacyr...”.

Semana passada, com a proximidade da festa dos 130 anos da nossa escola, ele me mandou a cópia do discurso que fez aos formandos, seus colegas de classe do Terceiro Científico — 2, de 1965:

“Finda-se hoje, para nós, uma convivência de sete anos, durante a qual muito aprendemos: dos mestres, que nos ensinaram a ciência; de todos os que aqui trabalham, mostrando-nos como bem se cumpre o dever; dos caros colegas e amigos, que mutuamente se ajudaram em levar avante uma incumbência, a de estudar e preparar o futuro.

Quando se passa uma série de anos sorrindo juntos ou penando lado a lado, constróem-se amizades sólidas e, por isso, duradouras, que para sempre se conservam na lembrança e no coração.

Adentrando agora a grande fase de nossa vida, a mais importante do nosso estudo, e cheios de esperança nesse futuro tão próximo, envaidecemo-nos e sentimo-nos felizes, ao mesmo tempo em que nos entristecemos motivados por uma separação.

Alunos e professores hoje se separam: os professores, continuando aqui sua missão e nós, alunos, partindo em busca de conquistas e vitórias num mundo quase novo.

Durante o período que hoje encerramos, enquanto muitas coisas sobre as ciências nos eram ensinadas, fomos tendo o conhecimento do lado realmente humano da vida: a fraternidade dos
homens, o coleguismo.

Aprendemos a amar e compreender os que juntos de nós estão. Pudemos entender que é bem
mais difícil ser amado, odiando, que ser odiado, amando.

Tivemos, de fato, um contato com a realidade do mundo. Pudemos saber qual é a nossa missão. Compreendemos o sentido de tudo aquilo que fazemos e tomamos consciência de que muito temos de fazer na sociedade.

Sabemos que muitas alegrias ainda virão, mas que pesadas lutas nos esperam. Nossos ombros, agora, terão que ser mais fortes para suportá-las e, para vencê-las, não nos poderá faltar o ânimo.

Se tudo, porém, não for sucesso, se malgrado todo o esforço cairmos algumas vezes, tenhamos a coragem de tentar novamente, sem perder de vista o ideal.

As lições do nosso querido colégio ‘Culto à Ciência’ nos farão honrar seu nome, como muitos dos nossos antecessores o honraram e como, mercê de Deus, muitos dos pais dos formandos de hoje também o honram.

Para estes, a todos os amados pais, que cumprindo tão amoravelmente o seu dever nos proporcionaram os meios para os nossos estudos, à custa, muitas vezes, de tantas labutas e sacrifícios, temos uma palavra não só de gratidão como também de promessa. Esta é que não deixaremos infrutíferos seus esforços, mas tudo faremos para compensá-los.

E agora que nos vamos, levaremos em nós o que recebemos de cada professor: de um, a compreensão; de outro, a forte amizade; a bondade deste, o carinho daquele, a dedicação e os ensinamentos de todos.

Ao Professor Lívio (Tomás), nosso paraninfo, que neste ano, aposentando-se, teve o justo prêmio de seus afanosos anos de magistério, deixamos o nosso abraço amigo, cheio de respeito e admiração.

Quero dirigir-me, agora, aos caros companheiros de turma. Esta é a nossa última reunião.
Levaremos conosco lembranças e saudades. Que cada qual tenha o seu destino sem nunca se esquecer destes bons tempos de colégio.

Tendo em mente não só as lições que recebemos, mas, sobretudo, os supremos ensinamentos de Deus, possamos todos ver concretizados os nossos ideais.

A todos que conosco estiveram por tão longo tempo, com singeleza, mas do fundo do nosso coração, o nosso muito obrigado.”

E estes foram os colegas de classe do Guilherme Nucci: Alexius Masiukewycz, Antônio Tadeu Nunes, Carlos Afonso de Barros Ramasco, Carlos Augusto Asbahr Júnior, Carlos Dellepiane Aveniente Macchi, Carmen Beatriz Vinícius da Silva, Cleso de Moraes, Fernando de Souza Sampaio, Francisco Luiz Garcia, Heloisa Helena Gomes Barbosa, Ismael Gióia, Jayme Brochado Burnier, João Batista Santoro, José Raphael Munhoz, Júlio Luís Gonçalves, Liu Fat Kam, Lucélia Eleny Natali, Marco Aurélio Matallo Pavani, Mário Antônio Siqueira, Maximiliano Euvaldo Weinlich, Mitsuo Tsutsumi, Moacir Pires, Norton José von Zuben, Paulo Roberto Bueno da Costa, Sandra Maria Tonussi, Sílvio Saidenberg e Vera Lúcia Pereira Lima Carvalho e Yone Kaplan.

Caro Guilherme, se Deus está com você, Ele está em boa companhia.

(Moacyr Castro, Ribeirão Preto, 05/11/2003)

 


© Carlos Francisco Paula Neto - última atualização em 21/03/2009
e-mail :  carlos@francisco.paula.nom.br